Produtoras
10/11/2016, 18:35

Sustentada pelo production service, Ocean Films começa a colher frutos da diversificação

Com tradição em production service, sobretudo para produtoras internacionais, a catarinense Ocean Films começou a diversificar há seis anos, quando começou também a produzir conteúdo, mirando o mercado nacional. "Percebemos que não tínhamos mais para onde crescer. A Lei 12.485/11 ainda não existia, mas dava para perceber um movimento tentando um ambiente propício para crescer nesse mercado", diz João Roni, sócio da Ocean Films, ao lado de Zahra Staub e Cristian Marini.

De lá para cá, a produtora trabalhou em cinema, TV aberta e por assinatura, com players como TV Cultura, Turner e Canal Curta!.

Após ter seu primeira longa-metragem, "Pequeno Segredo" (produção da Schurmann Filmes, da Ocean Filmes e da Diamond Films, em coprodução com a Mistika), indicado pelo MinC para ser o representante brasileiro no Oscar, a Ocean Films revela suas próximas produções. Na linha de cinema está em produção "Homens de Ouro", de Mauro Lima, diretor de "Tim Maia" e "Meu Nome Não é Johnny", em co-produção com a Caravela Filmes e distribuição da Downtown. Já o núcleo de conteúdo de televisão, liderado pelo produtor Nuno Godolphim, está realizando a série documental "Transamazônica – uma estrada para o passado" (foto), dirigida pelo cineasta Jorge Bodanzky, em fase de montagem, com exclusividade para a HBO.

Além disso, a produtora tem em linha de produção mais quatro projetos documentais para a TV por assinatura e dois longas de ficção em versão final de roteirização. Entre eles, destaque para "DOT", sobre a história da freira Dorothy Stang, assassinada na Amazônia em 2005, numa coprodução com os Estados Unidos. A produtora está desenvolvendo ainda um projeto transmídia sobre a heroína e espiã "Brigitte Monfort", uma espécie de James Bond de saias, originalmente lançada em livros de bolso nos anos 60, que prevê série de TV, longa metragem, a reedição de livros e até mesmo graphic novels e versão animada, que já conta com uma coprodução com o Canadá.

Segundo Roni, o relacionamento criado com diversos profissionais renomados e produtoras de fora ajudam na hora de criar conteúdos no Brasil. Inti Briones e Brigitte Broch, por exemplo, chegaram à Ocean pelos trabalhos em publicidade e em videoclipes para o mercado internacional e acabaram abraçando o projeto de "Pequeno Segredo", atiando como diretores de fotografia e arte, respectivamente.

Nuno Godolphim explica que, na área de conteúdo, a produtora está em "um momento de virada". "Começamos com um projeto por ano, devagarinho. Depois veio uma sequência de quatro series, outro longa. São projetos de tamanhos diferentes, que fazem a máquina girar", explica. Agora, a produtora amplia o investimento na área. "Estamos formatando um núcleo de trabalho e construindo uma relação com os canais. Leva um tempo para pegar projetos de maior peso e maior responsabilidade financeira", completa.

Documentário sobre Dorothy Stang está no line-up da produtora

Publicidade

Até então uma produtora focada em production services, a Ocean expandiu em conteúdo e, em agosto do ano passado, partiu para a publicidade. A empresa montou a Nunchaku no Brasil, uma fusão com a renomada produtora argentina Nunchaku, do diretor Nico Kasakoff. Comandada pelo produtor executivo Diego Melo, a Nunchaku BR passou a atuar como o braço de publicidade nacional, representando com exclusividade diretores de cena nacionais, como Rodrigo Rebouças, e internacionais que já atuam na produtora argentina. Para essa operação, a empresa conta com escritório em São Paulo, além das sedes no Rio de Janeiro, onde fica a área de production service e o núcleo de criação e conteúdo, e de Florianópolis, sede original da empresa, hoje dedicada à área de cinema e entretenimento.

Segundo Zahra Staub, uma das sócias da Ocean, partir para a publicidade partiu de uma demanda do próprio mercado. "A gente vai sentindo as necessidades do mercado, aliado a um desejo criativo nosso. As agências começaram a conhecer o nome da Ocean e começaram a nos perguntar o que poderíamos oferecer", diz. A produtora procura agora, explica Zahra, ampliar o time de diretores brasileiros, que tenham o perfil da Nunchaku.

"O serviço é o nosso faturamento principal. Na publicidade nacional, estamos dando um passo após o outro. Ainda é um investimento nosso. Não queremos crescer muito. Não temos ambição de ser gigantes. Pequenos, os problemas são fáceis de corrigir. Mas também aproveitamos as oportunidades que se abrem", conclui João Roni.

 

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 1996-2019 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top