PRODUÇÃO AUDIOVISUAL
11/06/2020, 19:05

Entidades se reúnem para assinatura do Protocolo de Segurança e Saúde no Trabalho Audiovisual

Nesta quinta-feira, dia 11 de junho, Simoni de Mendonça, Sonia Santana e Marianna Souza, representantes do SIAESP, Sindcine e APRO, respectivamente, se reuniram na sede da FIESP, em São Paulo, para a assinatura do Protocolo de Segurança e Saúde no Trabalho Audiovisual, documento que estabelece as regras que devem ser seguidas no processo de retomada do setor. O evento foi liderado por André Sturm, cineasta e produtor, e transmitido online para jornalistas.

Apesar de comandado pelas três entidades, o processo de desenvolvimento do material contou com a colaboração de empresas e trabalhadores do Brasil todo, de estados como Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Goiás, que também são representados pelo Sindcine – isso significa que, salvo as questões regionais, o documento pode atender a vários mercados. Na divisão de tarefas, o SIAESP se encarregou das questões sanitárias, o Sindcine cuidou dos trabalhadores e a APRO se responsabilizou pela pesquisa, com o objetivo entender como essa retomada tem sido feita ao redor do mundo. Foram estudados protocolos de países como Estados Unidos, México, Uruguai, Portugal, Espanha e Nova Zelândia para reunir as melhores práticas no planejamento da retomada. Além disso, foram consultados profissionais da área da saúde, que orientaram sobre as medidas preventivas e o uso adequado dos EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e dos EPCs (Equipamentos de Proteção Coletivos). O trabalho partiu da premissa de criar possibilidades para um retorno "seguro, viável e responsável", como definiu Mendonça.

Na ocasião da assinatura, Santana explicou que o Protocolo está finalizado – no entanto, trata-se de um documento vivo, que pode ser modificado ou ampliado, ou ainda suavizado ou endurecido, de acordo com o as consequências dessa retomada. No caso da cidade de São Paulo, o documento foi enviado à Prefeitura para análise das autoridades de segurança e sanitárias e aguarda liberação – o que significa que ainda podem ser feitas alterações.

O material é dividido em três etapas. A primeira delas, que corresponde ao momento atual do setor, refere-se apenas às produções feitas de maneira remota, diretamente da casa dos profissionais, e está mais ligada aos projetos de publicidade. É uma fase que estabelece deslocamento mínimo de equipe, respeitando o isolamento social. A segunda – que deve ser colocada em prática de acordo com as recomendações específicas de cada cidade e entrará em vigor apenas quando as autoridades sanitárias permitirem a retomada das atividades do setor – prevê uma reabertura gradual, com flexibilização das medidas restritivas. Entre as definições da etapa, estão equipes reduzidas ao número máximo de 20 pessoas dentro do set, todas utilizando EPIs e respeitando a distância de um metro e meio entre cada pessoa; jornadas de no máximo 12 horas (já considerando o tempo necessário para higienização e uma hora de refeição); triagem dos trabalhadores, com a aplicação de formulário com questões de saúde relevantes para a segurança de todos os envolvidos, medição de temperatura e recomendação de testagem de Covid-19; entre outras. Pede-se ainda que sejam evitados planos de filmagem muito complexos, que demandem equipamentos especiais. A recomendação é por decupagens mais simples. Outras sugestões falam em pré-produção remota, pesquisa de locação online, adaptação de roteiros e a preferência por filmar com personagens que sejam de famílias reais, por exemplo. Além disso, é importante reforçar que o limite de 20 pessoas por equipe se trata apenas daquelas que permanecem dentro do set, isto é, profissionais podem seguir participando de forma remota, por vídeo. Lembrando que o documento é válido apenas para as produções em sets fechados – projetos externos não estão proibidos pelo Governo.

A terceira fase do Protocolo ainda está em construção – suas regras serão definidas com base nos resultados das etapas anteriores e dependem do bom andamento das mesmas. "Só teremos feedbacks efetivos e elementos de avaliação a partir da segunda fase, que vai envolver estúdios, equipes e técnicos. Esperamos que juntos, busquemos por mais responsabilidade social e criatividade no trabalho, dentro das limitações que as fases impõem", disse Santana. A presidente do Sindcine falou ainda sobre as questões trabalhistas dentro do Protocolo e lamentou ainda não existirem definições nesse sentido: "As três entidades estão buscando essas respostas em parceria, ao lado ainda de representantes de outros estados. Esperamos que exista a liberação de um seguro junto das companhias seguradoras. A criação de um fundo de responsabilidade também seria uma opção. Mas, no momento, estamos nesse limbo".

O Protocolo seguiu os pilares de distanciamento, higienização, desinfecção, comunicação e monitoramento e a proposta é que ele seja um documento único e de referência para todos os envolvidos na indústria audiovisual. Ele será disponibilizado na íntegra, nos sites das entidades, assim que aprovado pelos Órgãos Responsáveis (Prefeituras).

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 1996-2020 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top