Discovery estreia a série "Os Planetas", superprodução da BBC

Picture Shows: Four billion years ago Mars was a water world; its surface was covered with rivers and lakes. And in the Northern Hemisphere water collected in a vast sea that covered a fifth of the Martian Surface CG illustration of what Mars would have looked like with water.

No dia 22 de novembro, domingo, às 22h50, o Discovery leva a audiência a uma jornada pela nossa casa na Via Láctea, o Sistema Solar, com a estreia de "Os Planetas" (The Planets), superprodução em cinco episódios produzida pela BBC.

Na série, o físico e professor de astronomia Brian Cox narra e apresenta as mais recentes descobertas que expandiram nossos conhecimentos sobre os astros e planetas que compõem o Sistema Solar. Para isso, a produção utiliza imagens exclusivas captadas pela agência especial dos Estados Unidos, a NASA.

A partir de dados que resultam das recentes pesquisas e explorações espaciais, além de animações computadorizadas de última geração, a série revela a beleza e as particularidades dos planetas que orbitam em torno do Sol – são oito protagonistas de uma história que dura 4,5 bilhões de anos e que será revisitada pela produção em uma viagem no tempo da vida planetária, passando por seu presente, passado e futuro.

Cada um dos episódios tem como foco uma parte do Sistema Solar. O primeiro deles coloca em destaque os quatro planetas mais próximos do Sol: Mercúrio, Vênus, Terra e Marte. Nascidos juntos, eles lutaram contra a fúria do espacial em seus primórdios e conseguiram se transformar em planetas estáveis. Cada um deles, a seu tempo, teve condições semelhantes às da Terra. Mas tudo mudou; hoje Mercúrio é um mundo estéril, Vênus é como uma estufa com sua atmosfera escaldante e Marte é um deserto congelado. Apenas na Terra os oceanos – e a vida – existem. As recentes missões espaciais revelam evidências dos momentos exatos em que o destino de cada planeta mudou. Mercúrio foi lançado através do Sistema Solar em uma colisão brutal, o jovem Vênus travou uma batalha com o sol e Marte foi privado daquilo que precisava para sobreviver.

Apenas a Terra se encontrava longe o suficiente do Sol para que a vida se desenvolvesse. Mas esse ambiente ideal não durará para sempre: em bilhões de anos, nosso mundo seguirá o destino de seus planetas irmãos, conforme o Sol se expande. Mas, como já aconteceu antes, outros oásis podem despertar nas luas distantes dos gigantes gasosos – como Titã, a lua de Saturno. Em um futuro distante, ela também pode ter seu "lugar ao Sol".

O segundo episódio se aprofunda nas similaridades e diferenças dos planetas irmãos Terra e Marte; o terceiro capítulo tem como foco o gigante do Sistema Solar, Júpiter; Saturno e seus anéis são o destino do quarto episódio; e, por fim, no quinto e último episódio a série vai aos rincões de nosso sistema para mostrar como são os planetas Urano e Netuno.

9 COMENTÁRIOS

Deixe um comentário para Roberto Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui