Conteúdos esportivos
18/10/2019, 18:11

Brasileirão 2019 cresce em audiência e nas redes sociais

POR EDIANEZ PARENTE, COLABORADORA

"2019 foi o ano do renascimento do futebol", afirmou o diretor do Ibope Repucom e COO do Kantar Sports, José Colagrossi. Em evento da Sport Promotion realizado na semana passada, ele mostrou alguns números dos estudos do instituto sobre futebol no Brasil, referentes à audiência de TV, presença na web e público em estádios.

A Série A do Brasileiro é o campeonato preferido para 58 milhões de torcedores, diz o executivo.

Na TV, a média de audiência dos jogos aos domingos da Série A está 3% superior em relação à de 2018,  com um público médio de 7 milhões de telespectadores por jogo (dados da transmissão ao vivo dos jogos na Globo na Grande S. Paulo, maior mercado do País), contra 6,8 milhões no ano passado. De acordo com Colagrossi, pode-se chegar até o final do ano à média de 7,5 milhões de telespectadores por jogo.  

O futebol já somou, até setembro deste ano, 7,3 mil transmissões na televisão –  quando somados todos os campeonatos exibidos na TV brasileira em todos os canais de TV aberta, TV por assinatura e pay-per-view; entre jogos ao vivo e em VT.  No ano passado, por causa da Copa da Rússia, foram 9,8 mil transmissões; em 2017 tinham sido 7,1 mil transmissões.

Sobre a exposição das marcas patrocinadoras na televisão, o Ibope Repucom computou na Série A, entre abril e julho, 1,1 milhão de inserções de marcas na TV, correspondentes a 1,4 mil horas de exposição. Pelo custo de tabela das emissoras, o valor de mídia gerado é da ordem de R$ 8,2 bilhões, segundo Colagrossi, mas este valor não reflete a realidade porque há descontos e vendas empacotadas. Mas é um bom indicador do tamanho do negócio.

Redes sociais

Especificamente sobre a Série A, as menções ao Campeonato Brasileiro em internet captadas entre abril e setembro de 2019 já superaram em 45% a média de 2015 a 2018 , que foi de 2 milhões. "Há uma explosão na quantidade de discussões na internet", afirmou. O Ibope Repucom mede a presença dos clubes brasileiros nas redes sociais (YouTube, Facebook, Instagram e Twitter).

Em relação às transmissões na web, o executivo do Ibope não acredita que o streaming vá substituir a exibição em TV aberta. "Por muito tempo ainda a TV vai continuar sendo a forma predileta para o brasileiro assistir ao futebol", diz, explicando que o digital se apresenta como um complemento à televisão. E ele justifica a afirmação muito baseado no comportamento registrado pelo público mais jovem, que segundo levantamentos cada vez mais busca ver os jogos junto a outros jovens, o que leva a um aumento da audiência em locais de exibição coletiva (bares, eventos para jogos etc). Ainda, a TV também segue forte na transmissão dos melhores momentos das partidas.

Vale lembrar que no dia 10 de outubro, pela primeira vez nesse campeonato, uma partida da Série A de meio de semana foi exibida apenas pela internet, no site Globoesporte.com: o jogo entre Corinthians e o Athético PR. Como o time paranaense não assinou contrato para o payperview e tem contrato com o Esporte Interativo, a partida não foi nem para o Premiere, nem para o SporTV. E sem espaço na grade da TV aberta na noite de quinta-feira, só restou o site.

Público nos estádios

Em relação à presença física do público nos estádios, os especialistas exaltam uma retomada, em comparação a índices históricos de fluxo de pagantes. Até setembro de 2019, a média de pagantes nos estádios brasileiros foi de 21,2 mil pagantes por partida – já é a maior desde 1983. O volume de público este ano está perto de superar a marca de 8 milhões, o que seria o maior total registrado desde 1978.  

Para Bruno Romeiro, do marketing da CBF, todas as ações junto ao Campeonato Brasileiro têm como mote valorizar ainda mais o produto, seja por meio de promoções com o público nos estádios, seja por ações como a campanha de respeito aos árbitros. "Como resultados, temos visto a maior audiência e uma maior média de público", afirmou.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 1996-2019 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top