Publicidade
Início Newsletter (Pay-TV) “Todo Dia a Mesma Noite”, minissérie da Netflix sobre a tragédia na...

“Todo Dia a Mesma Noite”, minissérie da Netflix sobre a tragédia na boate Kiss, é uma recusa ao esquecimento 

Cena da minissérie “Todo Dia a Mesma Noite” (Foto: Guilherme Leporace/Netflix)

“Todo Dia a Mesma Noite”, minissérie brasileira de ficção inspirada na história real do incêndio na boate Kiss, que tirou a vida de 242 jovens em Santa Maria, Rio Grande do Sul, em 2013, estreia na Netflix na próxima quarta-feira, dia 25 de janeiro. 

Com direção geral de Julia Rezende, direção de Carol Minêm e roteiro de Gustavo Lipsztein, a trama é baseada no livro “Todo Dia a Mesma Noite: A História não Contada da Boate Kiss”(2018), da premiada jornalista e escritora Daniela Arbex. Em cinco episódios, a minissérie ficcional revela os bastidores desta que foi uma das maiores tragédias do país – da investigação policial acerca das circunstâncias que levaram ao incêndio até o início da incansável luta por justiça travada pelas famílias das vítimas, que segue até hoje, dez anos mais tarde. Produzida pela Morena Filmes para a Netflix, a minissérie tem produção executiva de Mariza Leão, Tiago Rezende e Gustavo Lipsztein, e consultoria criativa de Daniela Arbex.

No elenco, estão artistas consagrados como Debora Lamm, Thelmo Fernandes, Paulo Gorgulho, Bianca Byington, Leonardo Medeiros, Raquel Karro e Bel Kowarick – que interpretam personagens cujas vidas foram destroçadas pela perda dos filhos -, além de Erom Cordeiro e  Laila Zaid, que dão vida aos policiais responsáveis por investigar o caso, e Flávio Bauraqui como o advogado das famílias. Paola Antonini, Nicolas Vargas, Manu Morelli, Luan Vieira, Miguel Roncato e Sandro Aliprandini interpretam jovens vítimas da tragédia.

Assista ao trailer: 

Trailer da minissérie “Todo Dia a Mesma Noite”

“Eu nunca cheguei a me afastar dessa história e mantive um vínculo permanente com Santa Maria. Minha maior preocupação com a adaptação do livro era que essa minissérie de ficção contemplasse a história que contamos com o mesmo respeito e delicadeza – e isso aconteceu de uma forma que me deixou muito emocionada. O resultado do roteiro do Gustavo e do trabalho cuidadoso da Julia na direção é muito potente. A minissérie é uma recusa ao esquecimento, e ela vai poder contar para milhões de pessoas o quanto é longo o caminho por justiça no Brasil”, disse Daniela Arbex, autora do livro e consultora criativa da série, em entrevista para TELA VIVA. A jornalista, que se aproximou muito das famílias vítimas da tragédia durante a redação da obra literária, contou que todas essas pessoas foram avisadas da produção da minissérie pela própria equipe, antes que saísse qualquer coisa nesse sentido na mídia. “Temos esse cuidado com eles em tudo – antes, durante e agora no pós-produção. As famílias assistiram à série e o retorno que temos tido é emocionante”, afirmou. 

Os rumos da história 

“O livro da Daniela é maravilhoso, muito forte e cheio de histórias. O desafio era escolher qual história contaríamos na série, afinal, ela precisava de uma estrutura. Eu não queria que fosse uma série sobre sofrimento. O que me pegou mais, quando li o livro, foi a questão dos quatro pais de vítimas que foram processados pelo Ministério Público. Como que não houve justiça e os únicos processados foram esses pais? A partir daí, sabíamos qual história contar, que caminho iríamos seguir. É uma história que merece ser contada e que precisa ser conhecida. As pessoas envolvidas precisam ser vistas como pessoas, e não como números. Para nós, era importante que cada um tivesse um rosto, um sonho. Que o ponto central fosse essa indignação e a busca por uma justiça que é lenta, que demora, que já dura dez anos e ainda não veio”, detalhou o roteirista, Gustavo Lipsztein. 

“O tom da série vem, em primeiro lugar, do roteiro, da adaptação que o Gustavo fez do livro da Daniela. O foco não era o incêndio, e sim a luta por justiça, a vida dessas famílias que foram atravessadas por esse acontecimento trágico. O Gustavo encontrou um recorte muito sensível e nós, depois, na direção dos atores, sempre buscamos ter esse cuidado do que seria tolerável assistir. Não é uma série de ação, nós não queríamos filmar um incêndio, e sim fazer uma denúncia, falar sobre justiça e gerar nas pessoas indignação e reflexão sobre impunidade no Brasil. E sobre o que precisamos fazer, sobre essa necessidade de nos conscientizarmos para que isso não se repita”, definiu a diretora geral, Julia Rezende. 

“Tenho muita admiração pelo elenco inteiro. Eles fizeram um trabalho muito sensível. Cada um deles contribuiu para encontrarmos o tom. Tem um personagem que se emociona mais, outro que é mais indignado… Fomos encontrando nuances na construção dos personagens para justamente dar uma identidade para cada um e não massificar as famílias e as vítimas. São indivíduos, cada um com a sua história”, ressaltou. 

Assista ao vídeo de bastidores da produção: 

Vídeo traz depoimentos da produção e do elenco da minissérie

Todos os atores e atrizes buscaram conhecer afundo os detalhes do incêndio na boate Kiss e, principalmente, os bastidores do episódio, como os detalhes sobre o que podia ter sido feito para que a tragédia fosse evitada e a luta das famílias por justiça, bem como sua indignação. 

“Foi desafiador entender como uma mulher comum, que estava vivendo sua vida normalmente, foi catapultada para um lugar onde ela era obrigada a se posicionar. Para além da dor coletiva, cada uma dessas pessoas se viu diante de uma luta. Ela podia se engajar ou não – o que seria compreensível também. De alguma maneira, essas personagens foram enredadas por uma grande luta, uma luta muito importante. É fascinante ver essa transformação, de pessoas comuns que, de repente, têm no colo uma espécie de missão. Isso é muito forte para cada um dos personagens. O ponto é: eles não eram militantes, pessoas naturalmente engajadas. Mas se viram nesse lugar, foi um chamado da vida”, analisou a atriz Bianca Byington, que interpreta uma das mães que perderam seus filhos na ocasião. 

“E são pessoas que vão sofrendo dissabores atrás de dissabores por causa disso tudo que aconteceu. Pessoas simples, que não eram engajadas, e de repente vem a justiça e as coloca nesse lugar que assusta. Isso não pode ser esquecido, varrido para baixo do tapete. Não cabe a nós o julgamento, ou falar quem pode ou não sair impune. Mas o risco de acontecer de novo é evidente, e por isso é tão relevante contar essa história”, enfatizou o ator Paulo Gorgulho, que faz o pai do jovem Marco, também vítima da tragédia. 

No papel da mãe de Marco e esposa do personagem de Gorgulho, a atriz Raquel Karro (os dois na foto principal) contou que seu trabalho passou por interpretar uma mulher que sente uma dor dilacerante, mas que sabe que precisa continuar. “Ela é vaidosa, o filho admirava que a mãe se arrumava. E ela mantém isso, segue se arrumando. Era importante preservar alguma coisa daquilo”, explicou. “Quando li o roteiro, fui entendendo como era importante que a história dessas pessoas fosse contada. A série destaca a força de quem luta, mas também precisamos respeitar aqueles que não tiveram força pra lutar”, completou. 

A atriz Bianca Byington em cena da minissérie (Foto: Guilherme Leporace/Netflix)

Expectativas para o lançamento 

“Quando penso nas minhas expectativas com a estreia da série, penso em acolhimento. Mas, ao mesmo tempo, tenho certeza que essa minissérie tem uma função social muito importante, que é colocar fim a essa cultura de impunidade. Ela deve nos fazer refletir sobre o Brasil, sobre como chegamos até aqui. Vejo essa minissérie como uma grande oportunidade de reflexão – sobre a nossa justiça, o longo caminho para se alcançar justiça nesse país e a necessidade urgente de se construir a memória coletiva do Brasil”, destacou Daniela. 

“Não cabe a nós interferir na justiça – ela inclusive já deveria ter sido feita. O que a série pode contribuir nesse sentido é trazer uma discussão, levantar o debate na sociedade brasileira. Tenho uma expectativa sobretudo de que as famílias se sintam representadas e acolhidas, e que realmente sintam que demos voz à luta que elas trazem há dez anos”, concluiu Julia. 

“Todo Dia a Mesma Noite” estreia com todos os episódios de uma vez exclusivamente na Netflix na próxima quarta-feira, dia 25 de janeiro.  

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile