Publicidade
Início Newsletter (Tela Viva) Cinemateca Brasileira exibe parcela de sua mais antiga coleção de filmes, recentemente...

Cinemateca Brasileira exibe parcela de sua mais antiga coleção de filmes, recentemente recuperada 

Cinemateca Brasileira (Foto: Daniela Matias e Daniel Dantas/ Divulgação)

A Cinemateca Brasileira exibe na quarta-feira, dia 3 de julho, às 18h, uma seleção de filmes que foram recuperados pelo Projeto Nitratos. Pela primeira vez em sua história, a instituição recuperou, catalogou e digitalizou 1.785 filmes de sua coleção em nitrato de celulose, que reúne os mais antigos títulos da cinematografia brasileira. 

Logo após a sessão, também ocorre a sessão de autógrafos do livro “A restauração da cor do cinema silencioso no Brasil: Identificação, conservação e técnicas”, da pesquisadora Luisa Malzoni. A publicação documenta a experiência de Malzoni, que é técnica e pesquisadora da instituição, no restauro de filmes com tingimento e viragem na Cinemateca Brasileira entre 2008 e 2024.

Na sessão inédita, serão exibidos cinco títulos – “Segall. Lasar, Jenny e Maurício Segall – 1928”, “Coisas nossas: producção brasileira”, “Desfile de lãs”, “Documentários promocionais” e “Fragmento de Greenwhich Village” – que ainda poderão ser assistidos na íntegra no BCC: Banco de Conteúdos Culturais, disponível no site da Cinemateca. O repositório digital já recebeu cerca de 300 filmes que foram recuperados no contexto do Projeto Nitratos e deve ser renovado periodicamente. 

Todas essas iniciativas integram o Viva Cinemateca, que reúne os grandes projetos da Cinemateca voltados à recuperação de importantes acervos, além da modernização de sua sede e infraestrutura técnica. Por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o projeto, de cerca de R$ 15 milhões, conta com o patrocínio estratégico do Instituto Cultural Vale, com o patrocínio master da Shell e o copatrocínio do Itaú Unibanco.

A recuperação da coleção de filmes do projeto Nitratos da Cinemateca Brasileira tem sido uma das principais frentes de trabalho da instituição desde sua reabertura, em 2022. Para essa iniciativa, foram contratados 30 pesquisadores e técnicos de preservação e documentação de todo o país, que trabalharam por dois anos no projeto, recuperando 3.392 rolos de filmes – cinejornais, documentários, filmes de ficção, domésticos e publicidade. A maioria dessa equipe foi posteriormente incorporada ao quadro de funcionários da instituição.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile