Análise
04/10/2018, 22:11

ISPs diminuem ritmo e banda larga fixa para de crescer em agosto

Após sucessivos crescimentos mensais, a banda larga fixa mostrou uma redução marginal (de 0,01%) da base em agosto, totalizando 30,541 milhões de acessos. Ainda assim, há um avanço de 9,17% (2,566 milhões de adições líquidas) se comparado a agosto de 2017. Segundo dados da Anatel, foram 3.311 acessos a menos no mês, em grande parte devido ao desempenho negativo da Vivo, que apresentou uma queda de 1,49%, ou 115,3 mil desligamentos.

Desta vez, mesmo os provedores regionais não conseguiram compensar a queda, com um crescimento abaixo da média – o menor do ano, lembrando que ocorreu uma redução em fevereiro. Foram 59,2 mil adições em agosto (aumento de 1,05%), totalizando 5,697 milhões de conexões. Em 12 meses, os ISPs ainda mostram que são responsáveis por quase a totalidade das adições do mercado inteiro, com 2,030 milhões de novos contratos no período (aumento de 55,36%).

Considerando a divisão por região, é possível ver verificar uma grande diferença de crescimento entre o registrado em julho e agosto nas regiões Norte e Sudeste, com avanço respectivamente de 343 acessos (contra 12,3 mil no mês anterior) e 4 mil adições (contra 68,4 mil). A quantidade de desconexões foi também significativa na região Sul, que acabou sendo a única a mostrar saldo negativo no mês: recuo de 37,1 mil acessos (contra aumento de 21,4 mil em julho).

Fibra e velocidade

Mais uma vez, a tecnologia de fibra foi a que mais cresceu, com quase 236 mil adições no mês, um avanço de 5,33%. No ano, também representa boa parte do aumento da base total, com 2,114 milhões de novos contratos (crescimento de 82,97%). Porém, com 4.663 milhões de acessos, o FTTH ainda fica atrás das duas maiores tecnologias no País: o cabo, com mais de 9,318 milhões de conexões (avanço de 0,47% no mês), e do cobre (xDSL), que encerrou agosto com 12,628 milhões de acessos, 1,26% abaixo do mês anterior.

O xDSL aliás registrou a maior queda no mês, com 160,5 mil desligamentos (recuo de 1,26%). Também mostrou redução o Spread Spectrum (rádio), com 121,2 mil desconexões (uma queda de 5,21%) e encerrando o mês com 2,206 milhões de acessos, a quarta maior do País.

Com o processo de migração de tecnologias, crescem as velocidades. Como tem sido regra, a faixa acima de 34 Mbps mostrou o maior avanço: 340,6 mil adições líquidas, um crescimento de 5,41% e um total de 6,635 milhões de acessos. No comparativo anual, o avanço é de 79,10%. É a terceira maior base no País, com 21,72%, e deve atingir em janeiro de 2019 o segundo posto, atualmente em poder da faixa de 12 Mbps a 34 Mbps, com 25,89%. Esse recorte encerrou agosto com 7,908 milhões de conexões, aumento de 55,6 mil contratos (ou 0,71%).

Por outro lado, a maior quantidade de desconexões foi justamente nos acessos de até 512 Kbps, que perdeu mais de um quarto da base ao encerrar o mês com 575,7 mil acessos, redução de 26,42% (206,7 mil desconexões) somente entre julho e agosto. A segunda faixa mais lenta, de 512 Kbps a 2 Mbps, também caiu, com 202,6 mil desconexões (redução de 3,75%), total de 5,205 milhões de acessos. Como as duas únicas faixas a mostrar redução foram as mais lentas, isso pode indicar uma limpeza de base das operadoras.

Comentários

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

© 1996-2018 Save Produções Editoriais. Todos os direitos reservados.
Top